Os 6 tipos de força na educação física principal

Os diferentes tipos de força na educação física são: estática, dinâmica, máxima, explosiva, resistência, relativa e absoluta. Esta classificação centra-se em 4 aspectos principais: a sua manifestação, o tipo de contração muscular, a aceleração gerada e a resistência a superar com uma velocidade específica. Da mesma forma, essas categorias são geralmente simplificadas para incluir conceitos que têm uma presença transversal em cada uma das definições.

Em referência a um contexto fisiológico, a força é uma capacidade muscular fundamental que permite ao corpo superar uma resistência por meio da contração dos músculos.

Além disso, tentar mover, levantar, segurar ou amortecer um objeto, está tentando contrabalançar condições como peso, gravidade ou estruturas fixas e móveis antes que a oposição seja feita.

A força é necessária para que os seres humanos possam executar várias tarefas relacionadas ao meio ambiente, começando com o desenvolvimento e a adaptação.

Da mesma forma, é crucial para certas atividades profissionais e, principalmente, para a prática de exercícios esportivos. Essa característica específica determinará, em maior ou menor grau, os níveis de desempenho exigidos.

As manifestações de força dependem de diferentes fatores, como idade, sexo, temperatura corporal, nível de preparação, estado de fadiga ou tipos de fibras musculares.

Outros aspectos mecânicos são: comprimento do músculo, seção transversal do músculo, tipo de alavanca, coordenação intramuscular e intermuscular e tipo de contração muscular.

Você também pode ver:

  • 6 benefícios da educação física para a saúde.
  • Tipos de força na física.

Tipos de força na educação física

1- força estática

Como resultado de uma contração isométrica, um aumento na tensão dos elementos de contração é criado sem que haja uma variação de comprimento na estrutura muscular.

Há uma tensão estática que não gera movimento físico porque o resultado da força e do deslocamento é igual a zero. Isso permite manter uma certa postura de exercício.

Consequentemente, o esforço interno gerado e a resistência externa são contrabalançados por terem a mesma magnitude, evitando uma mobilização da massa voluntária.

Este tipo de manifestação deve ser manuseado com grande cuidado durante a prática, tendo em vista as repercussões cardiovasculares que podem ocorrer quando o esforço máximo é realizado.

Com base no exposto acima, este método de treinamento tem os exercícios isométricos usuais, projetados para trabalhar a força máxima.

Como as cargas utilizadas envolvem pesos limites, elas exigem uma técnica refinada para evitar lesões nas articulações ou nos músculos. Se forem bem executados, produzem grande hipertrofia muscular. Isso significa que aumenta a massa muscular, mas não a força.

2- força dinâmica

Ao contrário do anterior, neste caso ocorre uma contração isotônica ou anisométrica que resulta em aumento da tensão dos músculos e deslocamento da estrutura muscular.

O movimento gerado pode ser um encurtamento que provoca a força dinâmica concêntrica e no qual o esforço interno supera a resistência externa.

Por outro lado, o movimento pode representar uma extensão das fibras musculares, gerando a força dinâmica excêntrica, na qual a resistência externa a superar supera o esforço interno produzido.

Além disso, refere-se à capacidade do corpo de gerar tensão por um período prolongado para neutralizar resistências não máximas.

Em relação ao treinamento, as contrações excêntricas facilitam a mobilização de grandes intensidades utilizando menos energia, apesar de estarem associadas à dor muscular tardia.

Alguns pesquisadores apontam que este tipo de treinamento aumenta a força nos músculos e tendões e que pode ser combinado com exercícios elásticos para melhorar os métodos de reabilitação.

Quando um movimento de contração é feito em tempo real, ocorre uma modificação no comprimento do músculo e na tensão em que as contrações isotônicas e isométricas são combinadas, o que dá origem a uma operação auxotônica.

Da mesma forma, outros autores referiram-se à possibilidade de realizar as chamadas contrações isocinéticas.

O exposto é obtido usando dinamômetros eletromecânicos para prolongar a consistência da velocidade de contração muscular durante o exercício, independentemente da intensidade da força aplicada.

Esse tipo de treinamento tem importantes repercussões em termos de força explosiva e na aplicação de terapias de reabilitação.

Por outro lado, é importante considerar o tipo de interação entre as principais formas de contração das fibras musculares, a excêntrica e a concêntrica.

Nesse sentido, pode-se fazer referência a dois tipos diferentes de manifestações de força durante o movimento, que os especialistas nesse campo denominaram como força ativa e força reativa.

No primeiro caso, a força se manifesta encurtando os músculos que se contraem durante um ciclo simples de trabalho muscular.

No segundo caso, há um duplo ciclo de trabalho muscular que se manifesta como encurtamento do alongamento. O alongamento acumula energia potencial que se torna cinética durante a fase de contração concêntrica.

3- força máxima

Também conhecida como força bruta, é dada pela preponderância da massa corporal e se refere ao maior esforço que pode ser implementado durante uma única contração muscular máxima.

Isso significa que ele determinará o desempenho naquelas atividades esportivas em que é necessário controlar ou superar uma determinada resistência, como no levantamento de peso.

Em relação ao controle, isso se refere ao fato de que o sistema muscular poderia estar sujeito a uma contração estática ou isométrica com demandas de força máxima ou submáxima.

Este último é representado por um esforço que deixa de ser o máximo e pode ocorrer em condições estáticas e dinâmicas. Geralmente é expresso como uma porcentagem da força máxima.

Além disso, esse tipo de força pode ser combinado com outro tipo de requisito, como alta velocidade de contração ou alta demanda por resistência. Alguns esportes como arremesso de martelo, bala ou remo podem servir como exemplo.

Os pesquisadores apontam que à medida que a resistência à superação se torna menos intensa, maior a intervenção da força máxima durante o movimento.

Dentro da força dinâmica máxima, foi possível distinguir duas categorias adicionais, a força concêntrica máxima e a força excêntrica máxima.

O primeiro indica que o esforço máximo possível ocorre quando a resistência pode se mover uma vez ou pouco. A segunda refere-se à oposição a uma resistência que se move na direção oposta ao indivíduo.

Fatores que determinam a força máxima durante o treinamento

  • A seção transversal do músculo ou hipertrofia.
  • Coordenação intermuscular e coordenação intramuscular.
  • As fontes de energia para a síntese de proteínas musculares.

4- força explosiva

Este conceito fala da capacidade dos indivíduos para desenvolver tensões musculares máximas em um curto período de tempo.

Alguns casos claros desse tipo de força são os levantadores de peso quando eles elevam rapidamente um peso específico, os arremessadores no final do movimento, os saltadores quando se levantam ou os corredores quando eles começam. Além disso, essa capacidade de reação é fundamental para o desempenho atlético.

Também é conhecido como força-velocidade ou potência na qual você tenta aplicar uma força no menor tempo possível.

Envolve a impressão de uma aceleração máxima ao corpo em oposição à resistência, porque a velocidade inicial gerada por essa massa depende dela. Nesse sentido, existe uma estreita relação entre o que é conhecido como velocidade e potência.

Esse tipo de reação será condicionado pelo tipo de fibras musculares. Para esta manifestação de força, a ação das fibras branca, rápida ou FT é crítica.

Ao contrário das fibras vermelhas, lentas ou ST, as primeiras têm alta velocidade de contração, podem gerar mais força durante o movimento e estão bem adaptadas a condições anaeróbicas intensas.

Há investigações que fazem uma diferenciação entre o que é força explosiva e força rápida.

Para o primeiro, a superação de resistências não máximas através do poder é estabelecida. Em relação ao segundo, uma aceleração menor que a máxima é aplicada para superar uma resistência similar à anterior. O termo força lenta ou pura também está incluído aqui.

Os elementos elásticos das fibras musculares desempenham um papel preponderante na aplicação da força explosiva. A importância dada a esses componentes deu origem à incorporação de outros tipos de forças nas quais o ciclo de alongamento-encurtamento desempenha um papel de liderança durante o movimento.

É assim que a força pliométrica surge. Esta é a capacidade de atingir o máximo esforço, na ausência de altas resistências e com o maior estímulo possível, o mais rápido possível e em função da energia acumulada durante as fases de alongamento e encurtamento.

Nesta categoria foram estabelecidas duas subclassificações relacionadas, as quais são as seguintes:

Força elástica explosiva

Refere-se à força potencial armazenada pelos músculos quando há um alongamento. Acontece que ela se torna energia cinética no momento da contração concêntrica. Isso implica que os elementos elásticos do músculo funcionam como uma mola.

Força explosiva elástica reativa

Nesse caso, o que ocorre é uma redução significativa do ciclo de alongamento e encurtamento que incorpora o efeito da restituição do reflexo miotático, o que aumenta a contração subsequente. Essa fase deve estar entre 240 e 160 milissegundos para alcançar as vantagens representadas pelo ato reflexo durante o ano.

5- resistência à força

Esse esforço varia dependendo do tempo de aplicação e envolve a capacidade do corpo de suportar a fadiga. Essa capacidade de suportar o desgaste durante o exercício pode ser curta, média e longa duração.

Esta combinação de força e resistência precisa da relação entre a intensidade da carga e a duração do esforço para determinar qual dos dois é mais preponderante.

Para a chamada força de resistência de curto prazo, tentamos superar a fadiga com respeito a intensidades maiores que 80% de uma repetição máxima.

Nesta situação prevalece uma alta tensão muscular, o fechamento das vias arteriais, a falta de oxigenação, a ausência de nutrientes no sangue e fatores locais no momento do exercício.

Da mesma forma, a resistência de meia duração permite que os esforços sejam mantidos antes de cargas que vão de 20% até 40% de uma repetição máxima.

Neste cenário, as capacidades relacionadas à resistência e à força contribuirão com um valor aproximadamente similar em relação ao desempenho durante a sessão de treinamento.

Finalmente, a resistência a longo prazo implica a execução de um esforço sustentado em frente a uma carga abaixo de 20% de uma repetição máxima. Nesse contexto de treinamento, as fontes aeróbicas relacionadas à geração de energia são essenciais para a manifestação da força local.

6- Força relativa e absoluta

Força absoluta

Força absoluta é o sentido puro da expressão da força. O fator preponderante é o peso corporal do indivíduo. Quanto mais massa o corpo tiver, maior a força que ele pode exercer em uma determinada resistência.

Isso também significa que, enquanto houver uma quantidade maior de miofibrilas musculares, a cota de esforço gerada será maior.

Para ser preciso, a força absoluta pode ser entendida como a proporção de força que qualquer organismo pode produzir, independentemente do seu peso corporal.

Isto é evidenciado pela comparação de um elefante com uma formiga. Embora o elefante tenha uma força absoluta que excede em muito a da formiga, quando o peso é levado em conta, a formiga é, sem dúvida, mais forte.

Força relativa

A força relativa é representada pela proporção do esforço com base no peso corporal. Ela se manifesta em atletas como ginastas, trampolins e saltadores cujos níveis de força relativa supõem um alto grau desse tipo de esforço.

Com base nesse critério, as categorias relacionadas à força foram estabelecidas, como levantamento de peso, luta livre, judô, boxe, etc.

Outro fator importante é a força limite, que se refere a uma magnitude de esforço que não pode ser obtida voluntariamente.

Alguns pesquisadores afirmam que, para alcançá-lo, é necessária a aplicação de condições psicológicas extremas, drogas ou eletroestimulação. Portanto, eles se equiparam com força absoluta.