Absolutismo Europeu: Princípios, Causas e Consequências

O absolutismo europeu é a denominação de um período político que teve lugar na Europa e que se distinguiu por ser despótico e autoritário. O estado absoluto era protegido por leis divinas que justificavam sua existência.

O absolutismo começou na Europa no século XV como uma forma de governo em que o monarca era a autoridade suprema. Depois das guerras religiosas e da devastação que elas significavam para o continente, havia uma forma de governo baseada na autoridade única e absoluta.

A teoria do direito divino do poder nasceu no último quartel do século XVI, num ambiente de guerras religiosas na França. Na Europa, a divinização do rei colocava que o representante de Deus era o rei e que era contra o rei desobedeceu a Deus.

No absolutismo europeu, o monarca às leis de acordo com seus interesses, que costumavam ser confundidos com os do Estado. Daí a famosa frase de Luis XIV "L`État, C`est moi" ou "O Estado sou eu".

A classe monárquica foi constituída por grupos de nobres, aos quais foram atribuídas funções de assessores e assistentes diretos do rei em suas decisões.

O poder político da época não tinha mais autoridade do que o julgamento do monarca. Na Europa, o absolutismo começa na Idade Moderna e coincide com o desenvolvimento do mercantilismo.

O estabelecimento do absolutismo causou uma mudança substancial na concepção da dependência das autoridades intermediárias entre o sujeito e o Estado, situação que levou à criação de uma burocracia efetiva e de um exército permanente.

Absolutismo é um fenômeno generalizado na Europa, França e Espanha. Embora o único absolutismo perfeito e acabado seja o francês.

O fim do absolutismo foi marcado pela Revolução Francesa de 1789, que matou o rei para mostrar que seu sangue não era azul e substituiu a monarquia pela burguesia.

Princípios do absolutismo europeu

Desde o início do século XV até a primeira parte do século XVI, houve uma primeira fase do absolutismo em formação, caracterizada pela gradual concentração de poder nas mãos do monarca, embora ainda o poder religioso colocasse limitações.

  • Direito Divino: o monarca tinha a palavra e a vontade de Deus, portanto tinha o direito divino de fazer sua vontade em nome de Deus.
  • Poder hereditário e vitalício: o poder geralmente recaía sobre o filho mais velho do rei e ele o segurava até morrer.
  • Poder absoluto: o rei não precisava consultar nenhum corpo ou pessoa sobre suas decisões. Não havia órgãos que equilibram o equilíbrio de poder
  • Sociedade dos estados: no período das monarquias absolutas, a sociedade foi dividida em classes sociais. As classes privilegiadas eram a monarquia e o clero, enquanto nos estratos mais baixos estavam os camponeses, a burguesia e outros assalariados.
  • Administração centralizada: a arrecadação de impostos fazia parte da riqueza do rei, que usava os recursos para manter o exército e acumular riquezas.

Em quais países o absolutismo ocorreu na Europa?

Absolutismo ocorreu em vários países pertencentes à Europa, entre os quais os mais conhecidos: França, Rússia, Espanha, Suécia, Inglaterra, Portugal e Áustria.

  • França: na França ocorreu o absolutismo mais completo e conhecido. Seus representantes mais notáveis ​​foram Luís XIII, Luís XIV, Luís XV e Luís XVI, que acabaram sendo decapitados no meio da Revolução Francesa.
  • Rússia: é chamado czarismo, mas são praticamente os mesmos preceitos do absolutismo. Na Rússia são famosos Pedro I, Iván IV, Miguel III, Catalina a grande e Nicolás II, que foi derrocado pela revolução bolchevique de 1917.
  • Espanha: Felipe V, Fernando VII, Fernando V e José I. A Espanha continua a ter um monarca, mas sob a fachada da monarquia constitucional.
  • Inglaterra: a nobreza inglesa era sui generis para admitir a existência do parlamento. Seus mais conhecidos representantes são Carlos II, Jacobo II, Enrique VII e Isabel I.
  • Suécia: O absolutismo sueco teve seus máximos representantes em Carlos X e Carlos XI, este último é famoso pela reconstrução da Suécia após o período de guerra.

Absolutismo causou a ascensão do Iluminismo, a ascensão da burguesia e da Revolução Francesa.

Causas do absolutismo europeu

As guerras religiosas e a idéia de superioridade pelo desígnio divino são os gatilhos que dão origem ao período absolutista. Até mesmo os reis tomavam poções que, segundo eles, faziam suas veias parecerem mais azuis do que as dos demais, o que sugeria que elas tinham sangue azul.

A conquista da América levou a Espanha e Portugal a coletar grandes quantidades de riqueza em prata e ouro, o que demonstrou o sucesso do sistema absolutista, em vigor nesses países, em seus vizinhos.

Houve o declínio do feudalismo e dos senhores feudais por causa das cruzadas. A concentração de poder permitiu a união territorial dos países.

Em vista da necessidade de fundir grandes forças militares, como no caso da Guerra dos Cem Anos entre a França e o Império Britânico, os Estados criaram exércitos regulares comandados pelo rei e não mais por senhores feudais dispersos e incomunicáveis.

Consequências

Durante o absolutismo, a desigualdade e a decadência das classes mais baixas aumentaram. Os privilégios eram dirigidos apenas a nobres e clérigos, cujos direitos eram superiores aos da maioria, independentemente das condições de vida dos demais.

O modelo político da monarquia absoluta tem como característica central a concentração de todo poder no rei sem controle ou limites de qualquer tipo. Felizmente, os países avançam em equilíbrio de modelos de poder.

O desejo de obter poder levou os reis europeus a se confrontarem política, econômica e militarmente pela hegemonia continental e mundial. Foi um período eminentemente sangrento devido à voracidade do poder e controle dos monarcas.

A filosofia da ilustração processa todos esses preceitos e põe em marcha a constituição dos estados modernos com liberdades e equilíbrio de poderes para evitar a tirania que causou o poder absoluto.