Quais são as regras para?

As regras são uma série de regulamentos que são estabelecidos como conformidade obrigatória para a operação de uma organização ou de um grupo social.

Independentemente do nível em que são estabelecidos, as regras são uma maneira de garantir a ordem no grupo em que elas governam. Para ser eficaz, as regras são obrigatórias para todos os membros do espaço onde se aplicam.

As áreas nas quais as regras são estabelecidas variam do menor ao maior. De casa, os pais dão aos filhos uma série de regulamentos que visam aumentar os valores e criar um hábito de responsabilidade. Na escola também existem regras que devem ser cumpridas pelos alunos.

Mais tarde, na área trabalhista, as regras também estão presentes, e elas se unem à responsabilidade no cumprimento do trabalho. Aqueles que têm maior alcance são aqueles emitidos por governos de diferentes âmbitos.

No nível local, as ordenanças geralmente são aprovadas, enquanto no nível nacional existem leis, decretos e julgamentos que estabelecem regras.

Comumente costuma-se afirmar que a regra máxima do Estado é a Constituição, que estabelece os direitos básicos dos cidadãos, bem como o funcionamento das instituições do Estado.

Usos e razões para as regras

O objetivo das regras é principalmente focado no bem-estar coletivo. Infere-se que, com o correto funcionamento das regras, o grupo em que é aplicado pode coexistir em paz. No caso de países, o uso de leis e regulamentos constitui o estado de direito.

Manter a ordem

Ao jogar, independentemente do nível, existem regras que devem ser seguidas à letra. Isso é feito para manter a ordem durante todo o jogo, garantindo os mesmos direitos para todos os jogadores.

Este exemplo pode ser aplicado em qualquer campo, porque para que uma sociedade funcione é necessário que a anarquia não seja imposta e a ordem seja mantida em todos os aspectos, através do cumprimento das leis.

Desta forma, os conflitos são evitados porque eles não têm um critério unificado sobre um assunto que diz respeito a um determinado grupo social.

Garantir direitos individuais

O conjunto de padrões do mais alto nível que existe no planeta é a Declaração Universal dos Direitos Humanos, assinada em 1948 em Paris, na França.

Nesta declaração, os direitos básicos inerentes à espécie humana são estabelecidos em trinta artigos. É fácil ver como qualquer regulamento visa garantir os direitos individuais de cada pessoa, protegendo-os de qualquer tipo de ataque ou discriminação de que possam ser vítimas.

Os direitos estabelecidos por qualquer regulação são exercidos e devem ser sempre progressivos e não regressivos.

A proteção da dignidade humana está acima de qualquer outra situação, e é uma estrutura na qual qualquer regra estabelecida deve ser protegida.

Salvaguardar os direitos dos outros e grupos

Da mesma forma que os direitos humanos são aplicados individualmente, isso também é feito no nível coletivo. Ninguém é capaz de impedir o exercício de um direito a outra pessoa.

Por essa razão, qualquer regra deve ter visualizado a garantia do cumprimento dos direitos de um grupo como um todo, sem gerar conflitos para a coexistência entre os direitos das pessoas que pertencem a ele.

Uma das razões para o estabelecimento de regras é que seu conteúdo deve tentar incluir o máximo de população possível, a fim de obter um consenso que lhe permita operar e ser cumprido.

Manter instituições para resolução de conflitos

Embora as regras sejam feitas para evitar o maior número de conflitos, elas sempre surgirão. É por isso que os mesmos regulamentos estabelecem qual é o canal que deve ser tomado para resolver as diferenças levantadas.

Quando se trata de um nível mais baixo, como o lar, sempre os números mais antigos geralmente têm mais autoridade para resolver conflitos.

Por outro lado, nos regulamentos que estabelecem empresas ou instituições, os organismos são criados precisamente para resolver os conflitos que surgem.

Da mesma forma, nos Estados, o Poder Judiciário tem a capacidade de resolver qualquer conflito legal que possa surgir por meio de ações judiciais ou litígios.

Criar um quadro de igualdade perante a lei

A igualdade perante a lei é uma das normas básicas do direito. Isso não significa que todos os indivíduos sejam iguais, mas que cada pessoa tenha as mesmas obrigações de cumprir as leis, assim como usufruir de seus benefícios, do que qualquer outra.

É por isso que difere em responsabilidades, porque todas as pessoas não têm a mesma autoridade ou hierarquia.

No entanto, a conformidade obrigatória é o que equivale às pessoas que estão sujeitas a serem regidas por regulamentações específicas.

Qualquer tentativa de segregação ou discriminação vai contra isso, que é uma das principais razões para o estabelecimento de regulamentos.

Estabeleça penalidades para quem as violar

Os regulamentos nem sempre serão cumpridos. Por essa razão, eles mesmos estabelecem as penalidades e sanções que serão aplicadas àqueles que não seguem o curso de seus artigos ou consenso verbal.

Qualquer penalidade imposta deve respeitar plenamente os direitos humanos e quaisquer outros direitos adquiridos pela população.

Ninguém pode estabelecer sanções. As instituições ou garantes para manter as regras e o seu cumprimento na sociedade, são investidos de autoridade para exercer o seu poder contra aqueles que pretendem com as suas ações para violar o quadro jurídico estabelecido.

Propor para mudá-los

Nenhuma lei é boa se não houver mecanismos a serem alterados. Em casa, quando uma norma nunca é cumprida, é provavelmente porque não se adapta às necessidades e interesses de seus membros. O mesmo acontece em um país.

Por esta razão, nas democracias, os cidadãos elegem representantes que podem criar novas leis ou mudar leis previamente existentes, para que possam ser atualizadas e contemplar mais direitos para mais pessoas.