O que é miscigenação cultural?

A miscigenação cultural é um fenômeno resultante do encontro, interação, troca e apropriação de tradições, práticas, crenças, comportamentos sociais e biológicos em geral entre diferentes grupos étnicos. A mestiçagem, inicialmente, foi fortemente marcada pelas características raciais dos participantes.

No caso da América, a colonização marcou um antes e um depois nos processos e relações de miscigenação que surgiram a partir daí, cujos resultados vieram a marcar as estruturas e hierarquias sociais da época colonial, bem como o primeiro encontro e tentativa de imposição. de uma bagagem inteira de crenças contra o outro.

A miscigenação torna-se mais forte com a descoberta da América porque, até agora, as raças existentes no velho continente eram marcadas por uma extensa linhagem de gerações anteriores, e em algum momento elas compartilhavam características semelhantes entre si.

O encontro com seres de diferentes contextos e características físicas, como índios e negros, ofereceu novas possibilidades de união e ampliou as variáveis ​​existentes em termos de combinações étnicas e raciais.

O processo histórico de miscigenação, onde houve grandes influências políticas e econômicas; onde a escravidão também desempenhou um papel importante, não foi considerado um processo fácil, e suas consequências e interpretações reverberam até hoje.

Causas da miscigenação cultural

As primeiras evidências de miscigenação cultural remontam a tempos antigos, com os primeiros deslocamentos entre continentes.

A chegada dos árabes na Europa, por exemplo; o que começou a transformar dinâmicas raciais e gerar novas gerações com mais ou menos características que as anteriores.

Cientificamente, quatro causas principais podem ser atribuídas à miscigenação cultural ao longo do tempo, e todas estiveram presentes em diferentes momentos da história (seja na Europa ou na América). Estes são:

Comércio

Pode ser considerada uma das primeiras causas de miscigenação. A necessidade de interação entre as comunidades antigas levou-os a percorrer grandes rotas para obter o que sua terra não lhes podia dar.

Embora em princípio procurassem garantir a vida, o comércio e o intercâmbio começaram a deslocar os elementos de cada cultura entre todos eles, levando alguns a adotar suas próprias práticas e mecanismos.

Migração

O deslocamento de uma cultura fora de seus territórios habituais, qualquer que seja sua razão, é uma causa de grande peso na miscigenação cultural.

Ainda hoje, os processos migratórios continuam a integrar (de certa forma) algumas culturas em ambientes e sociedades com as quais nunca tiveram contato, iniciando novas gerações.

Atualmente, as migrações ocorrem principalmente como um vôo para as guerras que tomam forma em diferentes regiões do mundo.

Talvez o processo de miscigenação não seja mais tão forte, porque são culturas que foram dispersas e foram estabelecidas em muitos cantos do planeta por algum tempo.

Os deslocamentos geram nichos culturais em cada nova região aonde chegam, popularizando-se entre os locais dependendo de seus atributos únicos.

Um grande exemplo disso é a distribuição chinesa em todo o mundo, e onde a existência de "Chinatowns" tornou-se parte da identidade única dos centros globalizados.

Religião

Antes, durante e depois do processo de conquista na América, a Igreja Católica tinha poder absoluto como instituição religiosa. A essa altura, o respeito por novas e diferentes teologias não existia da mesma maneira que agora.

Em princípio, a imposição e expansão do Evangelho Católico em todas as novas regiões que foram descobertas foi o primeiro elemento de troca ou compromisso que teve que aceitar as novas culturas que acabaram sendo submetidas, nem mesmo com a oportunidade de adaptá-las às suas crenças anteriores., mas adotando-o completamente e descartando os do seu grupo étnico.

Fenômenos como a Inquisição também geraram grande agitação e declínio em teologias alternativas que buscarão ser um bastião de resistência contra a força fiscal da Igreja.

Isso não se limitou às fronteiras do Novo Continente, mas se espalhou pelo mundo uma vez que a proliferação de novas imagens e ídolos colocou a paróquia em risco.

Que hoje muitas nações são consideradas oficialmente cristãs, tem muito a ver com o peso que veio a ter sobre a vida política, econômica e social das nações (especialmente americanas) em seus primeiros anos de independência.

Conquista

A conquista da América é o episódio histórico ao qual é atribuída uma influência maior quando se fala em miscigenação cultural.

A interação, a troca e a submissão dos conquistadores a um grande número de múltiplas culturas milenaristas em todo o recém-descoberto continente americano moldaram as primeiras bases para as mudanças biológicas, políticas, sociais e culturais que definiriam a América que hoje existe

Isso não significa que outros processos de conquista nos tempos antigos, em outras partes do mundo, não resultaram em miscigenação cultural; a queda de Roma contra os bárbaros poderia ser considerada um episódio importante em termos de trocas e biológicas.

As primeiras denominações, formais e informais, dos mestiços emergiram do processo de conquista americana, especialmente espanhol.

Estes não se referiam apenas à combinação biológica anterior que cada nova geração levava, mas também à sua posição e possibilidades dentro da sociedade colonial.

A conquista não só trouxe cruzamentos biológicos, mas também a imposição e adaptação das tradições européias nas comunidades americanas.

Isso gerou uma das formas mais ricas de manifestações culturais, nas quais não apenas as tradições européias foram adotadas, mas os híbridos nasceram entre antigas tradições e aquelas que persistem até hoje.

Atualmente, a miscigenação cultural pode ser considerada um processo um pouco mais implícito e subconsciente, por causa da globalização.

A abordagem virtual de qualquer cultura possível, possibilidade inconcebível há algumas décadas, permitiu ao cidadão conhecer em detalhe as culturas que habitam o mundo e até ter a oportunidade de se apropriar daquilo com que se sente identificado.