Tipos de Estresse e Fatores de Risco

Os tipos de estresse podem ser classificados de acordo com seu sinal (positivo ou negativo) e dependendo de sua duração (aguda, episódica ou crônica).

Atualmente, o estresse é descrito como fadiga mental causada pela demanda por um desempenho muito acima do normal, o que geralmente causa vários distúrbios físicos e mentais.

É um importante fator de risco, tanto para a saúde física como mental. Muitas doenças crônicas, problemas psicossomáticos e de saúde mental (como depressão, ansiedade, hipertensão, ataques cardíacos, etc.) estão, em muitos casos, diretamente relacionados ao estresse.

Ao contrário do que poderíamos pensar, o termo estresse começou a ser usado há muitos séculos. No século XIV, foi utilizado para se referir a experiências negativas, como dificuldades, adversidades ou sofrimentos que a pessoa vivia.

É no século XVII que o conceito de estresse é aplicado de maneira habitual por físicos e engenheiros, a fim de chamá-lo de característica de corpos sólidos. Esta característica refere-se à força interna presente em uma área na qual uma força externa atua que pode distorcer esse estado sólido.

Em 1926, Seyle introduziu o termo no campo da saúde para se referir a uma resposta geral do organismo a um estressor ou situação estressante.

Como explicaremos mais adiante, existe um estresse positivo, que é o que nos prepara e nos ajuda a encarar a tarefa com todos os recursos disponíveis. Mas quando essa emoção nos bloqueia e nos exaure, além de ter consequências mentais e físicas, não nos ajuda a encarar a tarefa ou a resolver as situações que enfrentamos.

Fases

Em 1956, Seyle propõe que a resposta ao estresse consista em três etapas distintas:

  1. Fase de alarme. Começa imediatamente após o reconhecimento da ameaça. Existem alguns sintomas, como taquicardia ou diminuição da temperatura corporal.
  1. Fase de Resistência O organismo se adapta à situação e a ativação continua, embora seja menor que na fase anterior. Se a situação de estresse persistir, a ativação não pode ser mantida porque os recursos são consumidos em um ritmo mais rápido do que o que eles adquiriram.
  1. Fase de exaustão. O corpo esgota seus recursos e perde de maneira progressiva a capacidade de adaptação que tinha na fase anterior.

Tipos

Existem diferentes classificações de estresse, dependendo se estão focadas em uma ou outra característica. Em seguida, vamos nos concentrar nos tipos de estresse, dependendo de sua utilidade ou sinal e dependendo de sua duração e manutenção.

Tipos de estresse, dependendo do seu signo

Estresse positivo

Ao contrário do que geralmente pensamos, o estresse nem sempre é negativo ou prejudicial à pessoa. Esse tipo, também chamado euutrés, é o que aparece quando a pessoa se sente pressionada, mas interpreta que as conseqüências da situação podem ser positivas.

Isso permite que você use o estresse para ser mais ativado, mais motivado e preparado para enfrentar a situação. Este é o caso, por exemplo, de uma competição esportiva. Esse tipo de estresse está associado a emoções positivas, como alegria, satisfação ou motivação.

Estresse negativo

Esse tipo também chamado de aflição, é aquele que está relacionado à antecipação de possíveis consequências negativas. Longe de ser útil ou motivador como no caso anterior, ele nos paralisa e nos impede de completar a tarefa satisfatoriamente.

Isso nos desestabiliza e bloqueia os recursos que temos disponíveis para lidar com a situação e que usaríamos em circunstâncias normais. A angústia está associada a emoções negativas, como tristeza, raiva e, em alguns casos, ansiedade.

Tipos de estresse, dependendo da duração

Estresse agudo

Este tipo é o mais comum, aparece a partir das exigências que nos impomos no dia-a-dia. Essas demandas são geralmente centradas em eventos do passado próximo, ou em antecipações que fazemos do futuro próximo.

Em pequenas doses, esse tipo de estresse pode ser benéfico e motivador, mas em doses mais altas pode ser desgastante e tem várias conseqüências no corpo e na saúde mental.

Mas esse tipo de estresse é de curta duração, localizado em um horário específico, por isso normalmente não deixa seqüelas e pode ser tratado de maneira fácil e eficaz. Os principais sintomas deste tipo são:

  • Aparecimento de emoções negativas . De tristeza e nervosismo a depressão e ansiedade nos casos mais graves.
  • Problemas musculares Pode haver dor nas costas, dor no pescoço, contraturas e dores de cabeça causadas por essa tensão acumulada.
  • Problemas Digestivos Esses sintomas podem variar de azia, constipação, diarréia, náusea, úlcera ou síndrome do intestino irritável.
  • Sintomas decorrentes da hiperexcitação temporária : aumento da pressão arterial, palpitações, sudorese, tontura, enxaqueca, falta de ar ou dor no peito.

Estresse agudo episódico

Esse tipo de estresse é o que aparece na vida da pessoa como de costume. Eles tendem a ser pessoas com muitas demandas, tanto auto-impostas quanto aquelas que recebem do ambiente.

Eles geralmente se sentem irritados e hostis, além de terem um constante sentimento de angústia pela sensação de que não podem cobrir tudo o que deveriam. Outra característica das pessoas que sofrem é que elas estão continuamente preocupadas com o que está por vir.

Eles geralmente têm uma visão negativa e catastrófica da vida. Além disso, eles não estão cientes de que esse estilo de pensamento e modo de vida são prejudiciais e prejudiciais a si mesmos e, em muitos casos, àqueles que os rodeiam (especialmente no local de trabalho).

Por causa disso, geralmente é difícil tratar a menos que os sintomas negativos que eles sofrem sejam tão fortes que os encorajam a realizar o tratamento para evitá-los. Os sintomas mais comuns são:

  • Dores de cabeça e enxaquecas persistentes.
  • Dor no peito e dificuldade respiratória frequente. Alguns problemas cardíacos também foram encontrados associados.

Estresse crônico

Esse tipo de estresse é o mais grave e com as conseqüências mais devastadoras. As pessoas que sofrem todos os dias têm um esgotamento físico e mental que pode ter consequências graves e consequências a longo prazo. Esse estresse ocorre em situações em que a pessoa, em princípio, não pode fazer nada para modificá-lo ou abandoná-lo.

É o caso do estresse sofrido antes dos conflitos bélicos, as rivalidades por motivos de etnia ou religião ou o desespero que aparece nas situações de extrema pobreza. Esse tipo de estresse também pode surgir de um trauma vivenciado na infância, que modifica as crenças e a maneira de ver o mundo dessa pessoa, de modo que tudo é uma ameaça constante à sua integridade.

Outra característica comum é que a pessoa que sofre não tem consciência disso. Ele vive com esse mal há muito tempo, o que já faz parte de sua vida e de seu jeito de ser. Pode até ser confortável, porque é o conhecido, é o modo como sempre confrontaram o mundo e não sabem como fazer o contrário.

Eles se sentem tão identificados com ele que, diante da possibilidade de tratamento, não estão convencidos de que seja útil. Isso porque eles sentem que o estresse que é parte de sua personalidade, que eles são desse jeito e que sem essa característica deixará de ser eles, eles vão mudar sua identidade.

Por estas razões, o tratamento é muito complicado. Em primeiro lugar, eles geralmente não vão pedir ajuda, e as pessoas que iniciam o tratamento geralmente saem antes de receber a cura.

Os sintomas deste tipo de estresse podem até requerer tratamento médico, pois tem sérias conseqüências em nível físico e mental. Alguns dos principais sintomas são:

  • Esse estresse está relacionado ao aparecimento de algumas doenças, como câncer ou problemas cardíacos. Doenças da pele também podem aparecer.
  • Doenças podem aparecer no sistema digestivo.
  • No nível psicológico, há uma baixa autoestima, o sentimento de impotência (eles desistem, porque o que eles fazem não está em suas mãos para mudar a situação). E isso pode levar a patologias como depressão e ansiedade.
  • Algumas pesquisas ligaram esse estresse ao risco de suicídio.

Antes do início do estresse, é aconselhável confrontá-lo e tratá-lo para que não continue a piorar e aprendemos outros recursos e ferramentas de enfrentamento.

Fatores de risco

Existem diferentes fatores que contribuem para uma pessoa que está desenvolvendo o estresse. É importante ter em mente que o que para uma pessoa pode ser estressante, para outra não é. Para isso, é necessário que vários fatores sejam unidos para provocá-lo.

Podemos dividi-los em fatores psicológicos e fatores ambientais.

Fatores psicológicos

A interpretação que uma pessoa faz da situação e dos recursos que precisa enfrentar depende de uma série de aspectos pessoais, modos de agir e padrões de pensamento próprios.

Tendência à ansiedade

É o caso de pessoas que se sentem constantemente ansiosas e preocupadas com as consequências negativas dos eventos da vida.

Eles estão predispostos a se sentirem inquietos em qualquer situação com incerteza que irão enfrentar. Por este caminho de enfrentar os eventos, eles estão mais predispostos a sofrer estresse.

Forma de pensar

Ao avaliar ou interpretar uma situação como perigosa ou estressante, os padrões de pensamento da pessoa influenciam muito.

Portanto, na mesma situação, uma pessoa vive como ameaçadora e estressante e outra não.

Locus de controle externo

O locus de controle refere-se à crença de que os eventos da vida são controlados por suas próprias ações e / ou capacidades (locus de controle interno) ou por forças externas que a pessoa não pode controlar (locus de controle externo).

A pessoa que tem o locus de controle externo é mais propensa ao estresse porque sente que, em uma situação de incerteza ou perigo, o que quer que ele faça não está em suas mãos para controlá-lo ou modificá-lo.

Introversão

Alguns estudos indicam que pessoas introvertidas ou tímidas reagem mais negativamente e sofrem mais tensão que extrovertidos. Vivem mais situações como perigosas ou ameaçadoras.

As pessoas que têm baixa auto-estima percebem maior sobrecarga em situações estressantes e apreciam que elas têm menos recursos para lidar com elas.

Outras características individuais

Alguns estudos indicaram que outros fatores, como a idade, afetam a possibilidade de desenvolver estresse. Por exemplo, algumas etapas da vida, como a idade de aposentadoria, podem ser uma fonte de estresse e sobrecarga.

Outros estudos também indicam que pertencer ao sexo feminino pode ser considerado um fator de risco, pois além de serem incorporados ao ambiente de trabalho, costumam ter o maior peso no cuidado da família e no desempenho de tarefas domésticas.

Fatores ambientais

Há uma série de situações concretas que podem causar estresse. Alguns pesquisadores concordam em apontar quatro tipos de situações que podem causar isso.

A mudança

Modificar um dos aspectos da vida sempre provoca uma alteração no equilíbrio, e isso, independentemente de você alterá-lo para melhor ou para pior, causa estresse. Por exemplo, troque de emprego, endereço ou o nascimento de um filho.

A interrupção

Quando algo termina abruptamente, é difícil se adaptar novamente, requer a implantação de todos os recursos da pessoa para se readaptar à situação. Por exemplo, um rompimento de um casal ou aposentadoria.

O conflito

Viveu como um distúrbio de vida que faz com que os fundamentos do equilíbrio sejam oscilantes. Restabelecer a ordem que existia antes do conflito requer um grande esgotamento emocional e a implementação das ferramentas da pessoa. Por exemplo, antes da perda de emprego.

O desamparo

Nessas situações, o que quer que a pessoa faça, não está em suas mãos modificá-la. O indivíduo se sente desamparado e sem recursos para lidar com eventos. Por exemplo, antes da morte de um ente querido.