Quais são os componentes culturais?

Os componentes culturais são o conjunto de práticas, formas de expressão social, artística e política, tradições, costumes e regionalismos que caracterizam uma sociedade e a distinguem das demais.

Como toda a estrutura que faz parte da cultura da sociedade, esses componentes são desenvolvidos ao longo da história e da evolução.

Se a cultura é definida como "tudo o que o homem faz, diz ou pensa", então pode ser determinado que os componentes culturais estão claramente sujeitos às ações do homem e seus iguais em um espaço físico específico, que será desenvolvido e marcado sua identidade de maneira cada vez mais clara.

Para o homem, a comunicação não é possível sem o uso da linguagem, tanto verbal quanto não verbal. Desde que o homem teve a habilidade de se comunicar entre iguais, eles começaram a desenvolver os primeiros componentes culturais. A linguagem pode ser considerada o principal gatilho para a cultura no mundo.

O espaço físico onde o homem decidiu se estabelecer também influencia grandemente o desenvolvimento cultural das primeiras sociedades.

Os processos de miscigenação vividos com a descoberta da América também causaram uma espécie de renascimento nas estruturas e modelos culturais da época.

Se esse novo passo foi a mistura entre as culturas milenares, hoje há um novo fenômeno que afeta os componentes culturais em todo o mundo: a globalização.

Principais componentes culturais

Político e cívico

Uma vez que uma sociedade é estabelecida, a criação de certos símbolos encoraja a noção de identidade de seus membros.

Nas nações de hoje, os principais componentes culturais que os representam são símbolos como a bandeira nacional, escudo e hino.

Da mesma forma, os sistemas políticos e governamentais adotados pelas nações destacam os valores culturais de seus membros.

No nível do cidadão, os relacionamentos e a confiança gerados entre estes e os estratos de poder ao longo da história determinam posições e reações geracionais em face de qualquer mudança, ou mesmo da ausência dela.

Um exemplo disso pode ser considerado o sistema político implementado pelos Estados Unidos desde sua independência, que há mais de 200 anos mantém sua operação sem ser pervertido por ambições pessoais, como tem acontecido com muitas nações da América Latina.

Esse tipo de comportamento político dos governantes e dos governados se deve à bagagem cultural.

História e costumes

A história é uma parte fundamental da identidade de uma sociedade; é saber de onde eles vêm e como eles se tornaram o que são agora.

O nível de apego de uma cultura pode depender em grande parte do senso de identidade que eles têm com sua própria história.

Da história e das gerações surgem costumes e tradições: práticas que continuam até o presente (algumas com maior integridade que outras), e que mantêm certos valores dentro de um ambiente étnico e social.

Essas tradições geralmente tomam a forma de celebrações religiosas ou pagãs, com diferenças regionais dentro da mesma nação.

A celebração de datas históricas características é também outra forma de celebração e evocação cultural. A miscigenação e o intercâmbio cultural modificaram a integridade dessas práticas em quase todos os lugares.

Isso não deve ser considerado de forma negativa, já que são os mesmos indivíduos que assimilam mudanças em suas atividades até que voltem a ser seus.

Práticas artísticas e conjunto de conhecimentos

Música, artes plásticas, literatura, cinema e teatro são formas expressivas que podem fornecer uma percepção clara da identidade de uma sociedade; Não só isso, mas eles também podem fornecer uma abordagem para os problemas que enfrentam em seu presente, como eles se parecem perante o resto do mundo e como o mundo os percebe.

Por esta razão, os primeiros suportes artísticos, como a pintura, a música, a poesia e a literatura estiveram presentes ao longo do desenvolvimento histórico de uma nação, fornecendo visões esclarecidas e até mesmo críticas sobre os diferentes estágios vividos.

Hoje, muitas nações investem em produção artística para garantir um registro cultural e uma identidade imortal. Da mesma forma, a arte sempre serviu como alternativa crítica em períodos de crise e opressão na história.

Outros conjuntos de conhecimento, como a gastronomia, podem ser considerados um componente cultural de grande importância, já que em um ambiente globalizado como hoje, serve como uma carta de introdução ao resto do mundo, e sua integridade não é condicionada por limites territoriais. .

Os comportamentos contra fatores culturais como artes plásticas, esportes, gastronomia e até ramos especializados como ciência, pesquisa e planejamento urbano são todos resultados do caráter cultural do indivíduo na sociedade; e ao mesmo tempo são produtores de maior identidade cultural.

Não é de surpreender que certas sociedades, reprimindo ou proibindo o acesso de seus cidadãos a certas atividades ou conhecimentos, gerem apatia nessas alternativas contra novas alternativas que poderiam ser exploradas para fins produtivos e benéficos.

A linguagem e o dialeto

Como mencionado no início, a linguagem é uma parte fundamental da cultura em geral, e não apenas das línguas que existem até hoje, mas dos dialetos e coloquialismos que nascem dentro de cada ambiente onde é falada.

Esse componente é muito importante e é o que distingue, por exemplo, que o inglês (seu sotaque e suas expressões) é tão diferente nos Estados Unidos, na Inglaterra, na Irlanda e na Nova Zelândia; bem como as diferentes variantes do espanhol que existem na América Latina em comparação com a Espanha.

O dialeto é uma forma de identificação cultural própria e de outros, e é isso que contribui pouco a pouco para o contínuo desenvolvimento da cultura em um dado ambiente.

No presente globalizado, mesmo as línguas foram influenciadas pelos discursos "universais", e tiveram que se adaptar a esses novos elementos de tal maneira que quem quer que proferisse algumas frases, se identificasse com cada palavra e ponto de vista que ele decida expressar.