A Viúva de Tamarindo: A Lenda do Equador Equivocada

A lenda da viúva Tamarindo é uma história de origem equatoriana que remonta aos anos do colonialismo. Esta lenda conta a história de um espectro fantasmagórico que apareceu nos campos assustando os homens que costumavam ir atrás de beber ou queriam conquistar muitas mulheres.

Esta história equatoriana é amplamente conhecida e sua história se expande para diferentes países do continente. Na Venezuela e na Colômbia esta história é chamada com o nome de "La sayona" ou "La llorona".

Este espectro apareceu pelas ruas escuras, vestido em um terno preto escuro e usava um véu que cobria seu rosto. Os homens a confundiram com uma mulher de grande beleza e saíram depois de seu passo.

Esta mulher atraiu os homens para uma quinta na Quinta Pareja onde havia uma árvore Tamarindo, e ali, revelando o seu rosto, assustou os homens deitados no chão.

A que horas começou a história da viúva Tamarindo?

A data exata do início desta lenda não é conhecida, no entanto, foi ampliada pelo pouco conhecimento desses tópicos e pelo misticismo que a história atraiu em si.

Acredita-se que a origem possa estar em um dos povos nativos do Equador, possivelmente em Manabí.

A lenda da viúva negra começa quando os espanhóis chegam em Manabí e proíbem a adoração de deuses pagãos pelos índios. Entre esses deuses havia um chamado Umiña de terno preto.

A lenda nos diz que a viúva negra era a esposa de um soldado que ela assassinou, sendo condenada a vigiar a memória de seu marido por toda a eternidade nas proximidades de uma árvore tamarindo.

Variação da história

A América Latina, mãe da cultura popular indígena, tem muitas fábulas e anedotas semelhantes à lenda da viúva Tamarindo. Por exemplo, na Colômbia e na Venezuela, a história leva outro nome chamado "La sayona" ou "La llorona".

Esta história conta a história de uma mulher das planícies, a esposa de um camponês. A esposa descobre que a mãe estava fazendo sexo com o marido e que esperava um filho do próprio marido, Severiano. A mulher, cheia de raiva, decide incendiar a casa onde sua mãe morava.

Assim, a mulher é amaldiçoada por sua própria mãe para vagar pelas ruas e nunca encontrar o amor verdadeiro. Desta forma, o susto começa a deixar as planícies venezuelana e colombiana assustar os homens de muitas mulheres.

Embora ela não esteja vestida de preto, essa mulher usa um terno branco que atrai os nativos do lugar para depois mostrar sua verdadeira face morta, deixando os transeuntes indiferentes.

Essas histórias fazem parte do folclore e da cultura popular dos países latino-americanos, entre os quais outras histórias também se expandem, como o Silbón de origem venezuelana ou a viúva de origem chilena.

Carlos Sanoa compilou essas fábulas em seu livro intitulado Rielando en un mar de recuerdos . Produto do imaginário coletivo, a lenda da viúva Tamarindo permaneceu como parte do patrimônio cultural do Equador, ainda debatendo a existência ou não deste por parte dos indígenas do povo equatoriano.

Outras versões

Uma das principais características deste tipo de histórico é que ele possui um caráter multigeracional, expandindo-se ao longo do tempo. Os filhos dos filhos dos filhos contarão esta história para as suas gerações, sendo indeléveis da mente equatoriana.

Também é dito que a mulher apareceu na cidade equatoriana de El Morro, frustrada e louca porque perdeu o marido. Existem diferentes variações da mesma história no mesmo país, o Equador, que provoca ainda mais o misticismo que este espectro fantasmagórico provoca.

Há outras histórias equatorianas como a dama da Tapada ou a Deusa Umiña. Esta Deusa Umiña, junto com dois outros seres, a Viúva e o Atum, são o mesmo ser para depois se tornar um dos fantasmas mais temidos no Equador.

La Dama Tapada aparece como uma crença popular que gira em torno de 1700 na cidade de Guayaquil, no Equador.

Esta lenda conta a história de uma senhora que apareceu em torno da meia-noite para aqueles homens bêbados, que ela levou para o antigo cemitério, Boca del Pozo, na parte inferior da igreja de Santo Domingo em Guayaquil.

A jovem usava roupas elegantes e um belo véu que cobria o rosto, o que impedia que os homens vissem seu rosto. Eles a seguiram hipnotizada porque emitia uma fragrância violeta, sem saber para onde estavam indo. Uma vez no cemitério, a mulher revelou seu rosto fazendo com que alguns dos homens morressem.

Esta poderia ser uma variação da história da viúva de Tamarindo em desenvolver quase o mesmo traje e o mesmo objetivo. A única coisa que varia é o lugar onde esta mulher está assustada e a fragrância que ela libera de seu corpo.

Essas histórias foram coletadas por vários escritores latino-americanos, além de serem expostas em vários canais e sites de pesquisa em todo o mundo. A cultura popular dos países do sul é uma atração para personalidades do mundo, especialmente aqueles que vêm de lugares na Europa e na América do Norte.

A originalidade e singularidade de cada história ainda mantém as raízes históricas e nativas do continente americano.

Cada uma dessas histórias é valorizada e contada com muita melancolia por aqueles homens que, uma vez quando crianças, ouviram essas histórias contadas por seus pais e isso provocou um medo.