11 conseqüências de morder as unhas para a saúde

As consequências de morder as unhas podem ser sociais, emocionais e físicas. Os físicos podem ser: problemas nos dentes, gengivas, digestivos, lesões nos lábios e nas cutículas, infecções nas unhas ou malformações nos dedos.

De acordo com um estudo realizado em 2010 com uma população dos Estados Unidos, 30% das crianças entre 7 e 10 anos roem as unhas, 45% dos adolescentes, 25% dos adultos e 5% das pessoas mais de 65 anos

A Associação Americana de Psiquiatria observa que por trás desse comportamento pode haver um transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), por isso é importante prestar atenção a cada caso e analisá-lo em detalhes.

Nesse caso, morder as unhas seria um sintoma de ter TOC, mas é claro que isso não significa que todas as pessoas que têm esse hábito devam ser diagnosticadas com esse transtorno. Por outro lado, embora possa ser um sinal de TOC, a onicofagia não é classificada como um distúrbio em si.

Embora, em princípio, seja um hábito ao qual estamos acostumados e geralmente não é dada importância, pode causar diferentes consequências na pessoa, especialmente física, algumas delas sérias e até mesmo irreversíveis.

Este comportamento geralmente começa na infância, tem seu pico na adolescência e na idade adulta geralmente desaparece. Mas em outros casos, persiste, resultando em consequências graves ou muito graves em alguns casos.

Principais consequências de morder as unhas

Em qualquer caso, e seja qual for o motivo do início do problema, há consequências importantes de morder os pregos que são frequentemente ignorados ou ignorados. Essas conseqüências podem ser classificadas em três categorias: social, emocional e física.

1- Conseqüências no nível social

Em muitos casos, manter o hábito de roer as unhas pode levar a situações de isolamento social, timidez e até fobia social. A pessoa está ciente da má aparência de suas unhas e até mesmo de suas mãos, e é uma parte do nosso corpo que geralmente é muito visível.

Ocasionalmente, você tenta esconder suas mãos, causando nervosismo por causa do medo de que elas se vejam. Nos casos mais graves, a pessoa pode evitar reuniões sociais e até empregos nos quais precisa ser exposto para esconder seu problema.

Também pode haver estigmatização social, na maioria dos casos fomentada por parentes ou pessoas no meio ambiente. É comum fazer comentários a pessoas que mordem as unhas do tipo "pare de fazer, olhe para as unhas mais feias" ou "é um hábito muito desagradável".

No caso em que isso ocorre com as crianças, pode gerar um sentimento de culpa e profunda vergonha que leva a consequências de longo prazo na idade adulta, como baixa auto-estima ou insegurança.

2- Conseqüências em um nível emocional

O fato de morder as unhas e não conseguir parar de fazê-lo pode ter consequências emocionais graves, como tristeza, raiva ou baixa autoestima. Como com qualquer mau hábito, tentar parar e ver que você não é capaz pode diminuir a confiança da pessoa em si.

Nesse caso, sabemos que continuar com esse costume é prejudicial à saúde e à estética e não contribui com nada de bom. Mas ainda assim a pessoa não pode parar de fazer isso. Tal como acontece com outros maus hábitos, a pessoa pode precisar de ajuda externa e apoio para alcançá-lo.

Consequências no nível físico

4- Problemas nos dentes

Talvez essa seja uma das principais e mais sérias consequências de manter esse hábito a longo prazo. Ao morder as unhas, os dentes podem deformar, desgastar e até mesmo sair da sua posição natural.

De acordo com especialistas nesta área, ao morder, ocorrem microtraumas, causando a perda gradual do esmalte de forma praticamente imperceptível. E, no caso de pessoas com próteses dentárias, elas podem fraturar. Da mesma forma, o aparecimento de cáries na área do dente afetado é mais provável.

Uma das consequências derivadas do exposto acima é o aumento da sensibilidade a morder ou engolir, com o inconveniente que isso acarreta. Nos casos mais graves, a dor pode aparecer na mandíbula devido ao esforço constante e movimento que está sendo feito ao morder. Também pode ser o caso de quando a posição natural dos dentes muda, a forma da mordida muda.

5- Problemas nas gengivas

Nos casos mais graves, nos quais o hábito de roer as unhas é mantido há muito tempo, podem aparecer lesões no tecido gengival. Este tecido é muito sensível e protege-nos de bactérias e outros agentes patogénicos. Se este tecido estiver danificado, pode levar a doenças como gengivite (inflamação das gengivas) e periodontite (sangramento das gengivas, mau hálito).

6- Problemas Digestivos

Muita sujeira e bactérias se acumulam facilmente nas unhas. O fato de estar em contato direto com essa superfície pode levar a problemas e infecções do sistema digestivo. E particularmente problemas de estômago podem aparecer quando a pessoa além de morder os cravos os ingere.

7- Lesões nos lábios

Em alguns casos, anomalias infecciosas, como verrugas ou herpes, podem aparecer na área labial devido ao contato e à fricção contínua com as unhas. As pessoas que têm verrugas em suas mãos devem ter um cuidado especial, porque ter contato constante com a boca é possível espalhar a aparência delas pelos lábios.

8- Lesões da cutícula

A função da pele que temos ao redor das unhas, entre outras, é protegê-la de possíveis infecções. Ao morder as unhas é muito frequente danificar e também morder a cutícula. Desta forma, nos expomos a infecções causadas por bactérias, fungos ou vírus, porque esta pele deixa de nos proteger.

9- Deformidades nos dedos

Nos casos mais graves, nos quais o hábito de roer as unhas se mantém desde a infância até a idade adulta, pode aparecer uma deformação dos dedos. As bordas laterais do dedo são levantadas ou torcidas em seu crescimento causando a deformação irreversível do mesmo.

10- Morder as unhas afeta o crescimento normal desses

Eles crescem desigualmente e sem cobrir toda a superfície necessária. A unha se torna uma superfície irregular e propensa a quebra, porque as camadas da unha não são distribuídas uniformemente ao morder.

Ele entra em contato direto com diferentes bactérias que podem causar doenças de vários tipos. As unhas são um lugar onde a sujeira se acumula com muita facilidade e as bactérias podem estar presentes. Algumas das bactérias que geralmente acumulamos nessa área do corpo são Salmonella e E.Coli, que podem causar sérios problemas de saúde. Mordendo essas bactérias são transportadas para a boca e, portanto, o resto do corpo. Isso pode levar a diferentes doenças e infecções em qualquer parte do corpo.

11- Infecções nas unhas e dedos

Bactérias e germes nas unhas e áreas próximas podem acessar o corpo através de pequenas feridas que aparecem ao redor das unhas. Esse tipo de infecção pode causar inchaço e / ou dor em áreas próximas à unha e são muito comuns entre pessoas com esse hábito.

Nos casos mais graves, com o tempo, a unha pode parar de crescer, ficando pequena e deformada para sempre. Isso acontece se a matriz da unha abaixo da cutícula estiver danificada. Este dano é irreversível, portanto, uma vez danificado, não pode ser reparado. Nos casos mais graves, pode até ser o caso de perder a unha completamente e nunca voltar a crescer.

Causas que desenvolvem o hábito de roer as unhas

Embora existam diferentes teorias que explicam a aquisição desse costume, a maioria concorda que é um hábito que é adquirido na infância e se perpetua na idade adulta.

E em outros casos, quando começa a ser feito mais tarde, pode ser um comportamento que resulta do estresse ou ansiedade que a pessoa sofre em um determinado momento. É uma maneira de aliviar a tensão, que em muitos casos se torna um gesto automático. Quando a pessoa sente ansiedade, ele morde as unhas e sente um relaxamento e alívio ao fazê-lo.

Algumas pessoas só o fazem antes de situações ou momentos específicos que geram mais tensão, por exemplo, antes de uma entrevista de emprego, um exame, um divórcio, etc. Neste caso, embora o hábito tenha começado com uma situação específica, uma vez adquirido, é muito provável que continue e a pessoa terá dificuldade em parar de fazê-lo mesmo que o evento que o causou tenha desaparecido.

Também pode resultar da combinação de uma série de fatores emocionais, como tristeza, raiva, preocupação, insegurança, vergonha, medo e até o tédio que podem levar a esse hábito. Em outros casos, embora seja menos frequente, a pessoa o faz por uma emoção intensa diante de um evento positivo e feliz, como receber boas notícias.

De qualquer forma, as pessoas que roem as unhas associam esse comportamento a uma maneira de relaxar e se acalmar. Também é geralmente associado a uma situação específica, por exemplo, enquanto espera pelo ônibus eu mordo minhas unhas. Portanto, sempre que você estiver na situação esperando pelo ônibus, você morde as unhas porque já está associado.

Por isso, é tão difícil deixar de morder as unhas, porque lhes falta uma alternativa para buscar tranquilidade ou aliviar as tensões e porque está associada de maneira muito forte. Tanto que na maioria das vezes isso é feito inconscientemente.

O que pode ser feito para parar de roer as unhas?

Como já dissemos antes, abandonar esse hábito quando você está com ele há anos é uma tarefa muito difícil. As pessoas que o realizam geralmente indicam que o fazem quase inconscientemente e que, uma vez que o fazem, é muito difícil para ele parar de fazê-lo. Mas considerando as possíveis conseqüências, é altamente recomendável começar a tentar.

Por um lado, existem diferentes produtos que podem ser usados ​​para jogá-lo nas unhas e nas áreas ao redor. Em alguns casos eles são usados ​​para dar um sabor amargo e desagradável para as unhas e em outros, a função do produto é endurecer a unha para que seja difícil de morder. Mas isso deve ser tomado como uma solução temporária, porque na maioria dos casos, a pessoa acaba se acostumando com o gosto do produto e não o impede de continuar com o hábito apesar de usar o dito produto.

Outra opção pode ser começar a cuidar de suas unhas. É especialmente eficaz nos casos em que a aparência das mãos causa constrangimento e isolamento. Cuide das unhas, corte-as, pinte-as, etc. e ver o bom resultado e o efeito resultante pode levar a pessoa a obter o autocontrole necessário para parar de morder.

Você também pode recorrer a uma manicure gel para evitar o contato direto com a unha e não ser capaz de morder. Mas em muitas ocasiões e após um período prolongado com este tipo de manicure, a unha pode ser danificada. Além disso, o fato de usar este tipo de manicure significa que há uma maior propensão à infecção, pois entre a unha falsa e a real, os germes podem se acumular, umidade que resulta no aparecimento de fungos, etc.

Em outros casos, se o problema persistir e o hábito for derivado de uma situação de ansiedade ou estresse, é aconselhável procurar um profissional de saúde mental para tratar o problema subjacente. Eliminar a ansiedade ou ferramentas de aprendizado para administrá-la de maneira saudável pode prevenir o hábito de roer as unhas.