Síndrome de Prader Willi: sintomas, causas, tratamento

A síndrome de Prader-Willi ( SPW ) é uma patologia multissistêmica de origem genética do tipo congênita (National Organization for Rare Disorders, 2012). É uma doença complexa que afeta o apetite, crescimento, metabolismo, comportamento e / ou função cognitiva (EUA Prader-Willi Syndrome Association, 2016).

No nível clínico, durante a infância, esta doença é caracterizada pela presença de vários achados médicos, como fraqueza muscular, alterações na dieta ou atraso no desenvolvimento generalizado (Genetics Home Reference, 2016).

Além disso, no nível cognitivo e comportamental, muitos dos indivíduos afetados pela síndrome de Prader-Willi apresentam deterioração ou retardo intelectual moderado, que é acompanhado por vários problemas de aprendizagem e comportamento (Genetics Home Reference, 2016).

Embora a síndrome de Prader-Willi seja considerada uma doença rara ou incomum, numerosos estudos indicam que ela é uma das patologias mais freqüentes na área genética (EUA, Associação de Síndrome de Prader-Willi, 2016).

O diagnóstico desta doença é baseado principalmente em achados clínicos e testes genéticos complementares (Foundation for Prader-Willi Research, 2014).

Em relação ao tratamento, a cura para a síndrome de Prader-Willi ainda não foi identificada, portanto, a abordagem terapêutica visa tratar sintomas e complicações, sendo a obesidade o achado médico que representa a maior ameaça ao tratamento. os afetados (National Institutes of Health, 2016).

Assim, em relação ao prognóstico e qualidade de vida, ambos dependerão da gravidade dos problemas médicos associados e dos distúrbios comportamentais ou cognitivos que possam se desenvolver (Campubrí-Sánchez et al., 2006).

Características da síndrome de Prader-Willi (SPW)

Diferentes relatos clínicos indicam que a síndrome de Prader-Willi (SPW) foi descrita pela primeira vez por JL Down em 1887, após o diagnóstico de um de seus pacientes "polisarcia" (Solà-Aznar e Giménez-Pérez, 2006). ).

No entanto, foram os Drs Prader, Labhart e Willi que, em 1956, descreveram outros 9 casos e deram seu nome a essa patologia (Rossel-Raga, 2003).

Além disso, as características e critérios diagnósticos da síndrome de Prader-Willi foram sistematizados por Holm e colaboradores (Campubrí-Sánchez et al., 2006).

A síndrome de Prader-Willi é uma desordem genética congênita, ou seja, é uma patologia presente desde o nascimento e afetará o indivíduo durante toda a vida se não houver intervenção terapêutica curativa (Asociación Española Prader- Willi, 2016).

Esta patologia apresenta um curso clínico complexo, caracterizado por numerosas manifestações médicas (Campubrí-Sánchez et al., 2006).

Embora, atualmente, o fenótipo da síndrome de Prader-Willi seja mais conhecido (Campubrí-Sánchez et al., 2006), tem sido nos últimos 25 anos, quando houve um progresso significativo na análise e compreensão desta doença (Solà-Aznar e Giménez-Pérez, 2006).

A expressão da síndrome de Prader-Willis é diversa, tendendo a afetar múltiplos sistemas e estruturas, sendo a maioria das alterações relacionada a uma disfunção hipotalâmica (Poyatos et al., 2009).

O hipotálamo é uma estrutura neurológica que tem um papel essencial no controle das funções homeostáticas: a regulação da fome, sede, ciclos de sono-vigília ou a regulação da temperatura corporal (Rosell-Raga, 2003). .

Além disso, o hipotálamo libera hormônios diferentes para várias glândulas: crescimento, sexual, tireóide, etc. (Rosell-Raga, 2003).

Finalmente, devemos ressaltar que a síndrome de Prader-Willis também pode ser referenciada na literatura médica e experimental com outros termos como a síndrome de Prader-Labhart-Willi ou com a sigla PWS (National Organization for Rare Disroders, 2012).

Além disso, outros sinônimos são: Síndrome de Labhart Willi, Síndrome de Praser Labhart Willi Fancone ou Síndrome de Distrofia Hipogital (del Barrio del Campo et al., 2008)

Estatísticas

A síndrome de Prader-Willi (SPW) é uma doença genética rara (Orphanet, 2007).

O termo Doenças Raras (ER), é usado para se referir às patologias raras ou raras que sofrem com elas (Associação Espanhola Prader-Willi Syndrome, 2016).

Atualmente, estima-se que a síndrome de Prader-Willi seja uma patologia com uma frequência aproximada de 1 caso por 10.000 a 30.000 pessoas em todo o mundo (Genetics Home Reference, 2016).

Por outro lado, em termos de distribuição de gênero, observou-se que esta patologia afeta igualmente homens e mulheres e não está associada a grupos étnicos ou regiões geográficas (National Organization for Rare Disroders, 2012).

Além disso, a síndrome de Prader-Willi é considerada a principal causa de obesidade de origem genética (Poyatos et al., 2009).

Signos e sintomas

Em nível clínico, a síndrome de Prader-Willi tem sido tradicionalmente associada à hipotonia neonatal, hipogonadismo, hiperfagia, obesidade, baixa estatura, atraso generalizado do desenvolvimento, deficiência intelectual moderada, aparência facial atípica e diferentes alterações comportamentais (Poyatos et al. ., 2009).

Apesar disso, a expressão clínica dessa patologia é muito heterogênea e varia significativamente entre os indivíduos afetados (Poyatos et al., 2009).

Além disso, os sinais e sintomas característicos da síndrome de Prader-Willi têm que variar com o desenvolvimento biológico, portanto, podemos observar diferentes achados clínicos no período fetal e neonatal, período de lactação ou primeira infância, estágio escolar e, finalmente, estágio adolescente (do Barrio del Campo et al., 2008).

Sistematicamente, José A. del Barrio del Campo e colaboradores (2008) descreve detalhadamente as alterações mais características das áreas biomédica, psicomotora, cognitiva e comportamental:

Manifestações biomédicas

Os sinais e sintomas físicos mais característicos incluem alterações como: hipotonia, malformações ou deformidades musculoesqueléticas, peso e altura reduzidos ou baixos, excesso de apetite, obesidade, hipogonadismo, distúrbios do sono, distúrbios respiratórios, características fáceis atípicas, alteração na regulação da temperatura corporal, entre outros.

  • Hipotonia : presença ou desenvolvimento de um tônus ​​muscular reduzido. A flacidez muscular nessa patologia é especialmente pronunciada no pescoço e tronco, especialmente na fase neonatal e nos primeiros meses de vida. Assim, com o desenvolvimento biológico, o tônus ​​muscular tende a melhorar.
  • Deformidades ou malformações musculoesqueléticas : nesse caso, é comum observar o desenvolvimento de escoliose ou desvio da coluna, um alinhamento deficiente dos membros inferiores (geno valgo) ou a presença de pés chatos. Além disso, outro tipo de anomalia congênita também pode ser observado, como redução do tamanho dos pés e das mãos, displasia da anca, presença de seis dedos, entre outros.
  • Baixo peso e altura : especialmente no momento do nascimento, tanto a altura como o peso da criança afetada são menores do que o esperado para o seu desenvolvimento e sexo. Embora os valores padrão possam ser alcançados na idade adulta, a taxa de crescimento reduzida tende a alterar os valores adultos de altura e peso.
  • Excesso de apetite e obesidade: é comum observar em pessoas que sofrem da síndrome de Prader-Willi um apetite insaciável, caracterizado por uma obsessão ou fixação pela comida. Devido à ingestão de grandes quantidades de alimentos, os afetados têm que desenvolver obesidade e outras complicações médicas associadas, como diabetes mellitus tipo II.
  • Hipogonadismo: a presença de alterações genitais também é frequente. Especificamente, o hipogonadismo ou o desenvolvimento parcial da genitália externa é muito frequente. Na maioria dos casos, o desenvolvimento puberal não atinge os estágios finais ou adultos.
  • Distúrbios respiratórios e alteração dos ciclos de sono-vigília: o ronco, a frequência aumentada ou a parada respiratória geralmente aparecem recorrentemente durante as fases do sono. Assim, os afetados devem apresentar várias alterações relacionadas à fragmentação, ao atraso do sono ou à presença de despertares periódicos.
  • Características faciais atípicas: Anormalidades musculoesqueléticas e malformações também podem afetar as características cranio-faciais. É possível observar um crânio estreito, estrabismo ocular, pele e cabelos pouco pigmentados, boca pequena e lábios finos, malformações dentárias, etc ...
  • Regulação alterada da temperatura corporal: as pessoas acometidas pela síndrome de Prader-Willi frequentemente apresentam problemas relacionados à regulação da temperatura corporal, outro achado significativo é a alta resistência à dor.

Manifestações psicomotoras e cognitivas

Manifestações psicomotoras

Devido à presença de malformações musculoesqueléticas e um tônus ​​muscular reduzido, o desenvolvimento psicomotor será mais lento, afetando todas as áreas.

Os afetados tendem a ter uma série de dificuldades para realizar qualquer tipo de atividade que requeira uma ou várias execuções motoras.

Manifestações cognitivas

Em relação às limitações cognitivas, a maioria das pessoas afetadas apresenta deficiência intelectual leve ou moderada.

Além disso, geralmente apresentam algumas áreas específicas mais afetadas, como o processamento sequencial de informações, memória recente ou de curto prazo, resolução de problemas aritméticos, processamento auditivo de informação verbal, alteração de atenção e concentração e a presença de rigidez cognitiva.

Por outro lado, a linguagem é outra área que é significativamente afetada em indivíduos que sofrem da síndrome de Prader-Willi. Muitas vezes há atrasos na aquisição de habilidades fonológicas, vocabulário pobre, alteração da construção gramatical, entre outros.

Manifestações comportamentais

Problemas e alterações comportamentais são outro dos achados típicos que podem ser observados na síndrome de Prader-Willi, geralmente têm que variar dependendo da idade ou estágio maturacional em que a pessoa afetada é, no entanto, alguns dos Os traços comportamentais mais comuns são:

  • Birras ou irritabilidade.
  • Interação social ruim.
  • Transtornos obsessivos
  • Comportamento agressivo
  • Sinais e sintomas psicóticos

Várias investigações atuais indicaram que a alteração comportamental tende a aumentar com a idade e, por isso, tendem a se agravar, afetando as áreas social, familiar e emocional de maneira generalizada (Rosell-Raga, 2003).

Causas

Como apontamos em várias seções acima, a síndrome de Prader-Willi tem origem genética.

Embora atualmente haja uma grande controvérsia sobre os genes específicos responsáveis ​​por essa patologia, todos os dados mostram que a alteração etiológica está localizada no cromossomo 15 (Mayo Clinic, 2014).

Ao longo do estudo genético desta patologia, várias contribuições foram feitas. Burtler e Palmer (1838) detectaram a presença de anomalias no braço longo do cromossomo 15 do pai paterno, enquanto Nicholls (1989) observou que em outros casos o distúrbio estava relacionado a alterações cromossômicas da mãe (Rosell-Raga, 2003).

Além disso, a teoria mais aceita sobre a origem dessa patologia é a perda ou inativação de vários genes de expressão paterna localizados na região 15q11-13 do cromossomo 15 (Poyatos et al., 2009).

Diagnóstico

O diagnóstico da síndrome de Prader-Willi tem dois componentes básicos, a análise de achados clínicos e testes genéticos.

No que diz respeito à detecção de sinais e sintomas indicadores, tanto em lactentes como em crianças mais velhas, será essencial a realização de um histórico médico detalhado, individual e familiar. Da mesma forma, o desempenho de um exame físico e neurológico também é fundamental.

Se, com base nesses procedimentos, houver suspeita diagnóstica, será necessário prescrever vários exames complementares para determinar a presença de alterações e anomalias genéticas.

Especificamente, cerca de 90% dos casos são diagnosticados definitivamente através de testes de metilação do DNA e outros testes adicionais (National Organization for Rare Disorders, 2012).

Além disso, também é possível realizar um diagnóstico pré-natal dessa condição médica, principalmente em famílias com história pregressa de síndrome de Prader-Willi.

Especificamente, o teste de amniocentese permite a extração de amostras de embriões para realizar os testes genéticos relevantes (National Organization for Rare Disorders, 2012).

Tratamento

Atualmente não há cura para a síndrome de Prader-Willi. Como em outras doenças raras, os tratamentos limitam-se ao controle dos sintomas e à melhoria da qualidade de vida das pessoas afetadas.

No entanto, um dos aspectos fundamentais será o controle nutricional e a nutrição, uma vez que a obesidade é a principal causa de morbidade e mortalidade nessa patologia.

Por outro lado, a presença de alterações cognitivas e comportamentais exigirá a intervenção de profissionais especializados tanto na reabilitação cognitiva quanto no manejo do transtorno de conduta.